Edição 2018

COMER É PANC

GRÁTIS

Curadoria: Neide Rigo

Consultoría Internacional: Cesar Costa

Produção executiva e agenciamento: DB Produções

Data:

 

Abril a Novembro 2018

Horário:

 

20:30h

Lugar:

 

Sesc Pompeia

Endereço:

 

Rua Clélia 93, Pompeia SP

Ingresso: Á partir das 19:30h na central de atendimento

PROGRAMAÇÃO

04 de Abril

Valdely Kinupp: É biólogo e professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas, Campus Manaus-Zona Leste (IFAM-CMZL) e atua na pesquisa e divulgação das Panc - Plantas Alimentícias Não Convencionais. É doutor em Fitotecnia-Horticultura pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e mestre em Ciências Biológicas (Botânica) pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA. Publicou em 2014, pela editora Plantarum, o livro “Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil” em coautoria do pesquisador Harri Lorenzi.

VALDELY KINUPP

 

É PANC que não está no livro

06 de Junho

Bela Gil: É chef, estudiosa de cozinha saudável, educadora e apresentadora de televisão. Comanda o programa Bela Cozinha no GNT e o Canal da Bela no YouTube. É autora de livros sobre cozinha e tem como militância a alimentação

consciente, biodiversa, com sabor e qualidade.

BELA GIL

 

Bananada de Marmelo: Substitua isto por aquilo

08 de Agosto

Carlos Oliveira Stan: é curador e organizador do Festival Igarapé Bem Temperado, já com 13 edições realizadas e publicação de 9 livros de receitas e que tem como protagonistas principais as “mestras da culinária”, senhoras com idade acima de 60 anos. À partir deste projeto, estas cozinheiras tiveram a oportunidade de compartilhar para além de suas famílias seus conhecimentos sobre uma comida que tem sua origem na tradição da cultura alimentar do cotidiano do pequeno lavrador, uma culinária que desde tempos imemoriais já fazia uso das hoje chamadas PANC. E mesmo com o avanço da urbanização, essa culinária foi se adaptando e mantendo suas principais características.

CARLOS OLIVEIRA

 

Uso de PANC na cozinha mineira de origem caipira

11 de Abril

Michele Jacob: É nutricionista, mestre e doutora em Ciências Sociais. Na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, é professora do Departamento de Nutrição e desenvolve projetos mostrando como a Ciência da Nutrição pode desempenhar um papel de protagonismo na promoção de sistemas alimentares e dietas

sustentáveis.

MICHELLE JACOB

 

Horta Comunitária com PANC

no Curso de Nutrição

20 de Junho

Michel Abras: Mestre em Estudos Culturais Contemporâneos, Gastrólogo e Cozinheiro Profissional, tem como linha de trabalho e pesquisa as PANC (Plantas Alimentícias Não Convencionais). Professor na área de gastronomia e culinária no Senac de Belo Horizonte, atua estimulando o conhecimento a cerca destes alimentos carregados de valor sócio cultural e tradicional, promovendo assim o seu resgate, ressignificação e utilização na alimentação.

MICHEL ABRAS

 

O ensino e a utilização de PANC nos cursos de gastronomía

22 de Agosto

Antonio Salatino: O professor Antonio Salatino é graduado em Farmácia e Bioquímica pela Universidade de São Paulo - USP. Cursou mestrado e doutorado no Departamento de Botânica da mesma universidade e desenvolveu programas de pós-doutorado nas Universidades de Texas, em Austin, e da Georgia, em Athens. Foi chefe do Departamento de Botânica da USP, realiza pesquisas sobre química e atividade biológica de própolis e de plantas medicinais e é autor de mais de 130 artigos científicos.

ANTONIO SALATINO

 

Plantas tóxicas

09 de Maio

Helton Josué Teodoro Muniz: Nasceu em Piracicaba, SP em 1980. É Frutólogo (estuda as frutas) e mantém um projeto pioneiro de preservação e pesquisa das frutas Brasileiras, onde mantém em cultivo cerca de 1300 espécies de frutas. Mantém as informações de seu trabalho no site www.colecionandofrutas.org e é autor do Livro Colecionando Frutas Volume 1, publicado em 2008.

HELTON JOSUÉ

 

Frutas Raras são PANC

04 de Julho

Guilherme Reis: Gestor ambiental (USP), mestre em ciência ambiental (USP), especialista em etnobotânica de plantas alimentícias em contextos urbanos e agricultura urbana. Trabalha com introdução de espécies não convencionais em hortas com fins educativos e de produção, assim como na capacitação para identificação, cultivo e uso dessas espécies para uso doméstico ou comercial. Membro do Grupo de Estudos em Agricultura Urbana (IEA/USP). Autor da página www.matosdecomer.com.br.

GUILHERME REIS

 

Escola PANC - Merenda e hortas biodiversas

05 de Setembro

Marcelo Sulzbacher: É biólogo e Doutor em Biologia de Fungos pela Universidade
Federal de Pernambuco (UFPE), especialista no estudo de fungos, principalmente na identificação de cogumelos silvestres ocorrentes no Sul do Brasil. Suas pesquisas renderam diversos estudos sobre cogumelos nativos e introduzidos no Brasil, além do registro de espécies novas para a ciência.

MARCELO SULZBACHER

 

CANC - Cugumelos Alimenticios não Convencionais

15 de Maio

Kleber Fernandes: Desde bem jovem ligado a diversos movimentos, indo do escotismo ao movimento empresarial, Kleber atuou em diversas atividades profissionais e no momento se dedica-se ao cultivo e coleta de plantas em Pirabeiraba-SC. Realiza oficinas e palestras e se revela um observador atento que direciona um olhar afetuoso a inúmeras plantas comestíveis que geralmente passam despercebidas pela maioria das pessoas.

KLEBER FERNANDES

 

Resiliência PANC – a beleza que emerge entre o concreto das cidades

11 de Julho

Beatriz Carvalho: Geógrafa, educadora ambiental e mestre em planejamento urbano. Liderou projetos de hortas orgânicas urbanas e pesquisa o tema há mais de 10 anos. Fundadora do Mato no Prato, uma das primeiras empresas especializadas em PANC do Brasil, Beatriz trabalha a educação ambiental e alimentar através do resgate cultural e da valorização da biodiversidade.

BEATRIZ CARVALHO

 

PANC para cultivar em casa

19 de Setembro

Paola Carosella: É cozinheira. Atualmente é proprietária do restaurante Arturito e do café de empanadas La Guapa. Antes de chegar ao Brasil, em 2001, cozinhou em vários países. Em São Paulo, onde mora e trabalha desde então, pratica uma cozinha simples, que valoriza o ingrediente e as pessoas envolvidas em sua produção. É uma apaixonada pelo fogo, pelos bichos e plantas criados/produzidos com carinho e respeito.

PAOLA CAROSELLA

 

Uso de PANC em restaurantes - Responsabilidade ambiental e Social

10 de Outubro

11 de Outubro

17 de Outubro

18 de Outubro

Thais Mauad: É medica patologista e professora associada de Medicina da USP, além de voluntária da horta comunitária da Faculdade de Medicina da USP e coordenadora do Grupo de Estudos em Agricultura Urbana do Instituto de Estudos Avançados da USP.

THAIS MAUAD

 

A importancia de se plantar PANC em hortas universitária

André Benedito: Biólogo, desde que se entende por gente gosta e estuda botânica de forma autoditada. Entre 2007 e 2016 atuou como gestor de projetos, na criação de cursos presenciais e a distância, em ações ligadas a design colaborativo de projetos, no design e ativação de redes sociais online. Atualmente é professor daEscola de Botânica, pesquisador na área de acervos digitais pela Universidade Federal de Goiás, autor de livros de botânica pelaBaobá Consultoria Florestale se diverte, junto de dois amigos, moderando e nomeando plantas no grupo Identificação de Plantas do Facebook.

ANDRÉ BENEDITO

 

É de comer? Quais os cuidados para identificação correta de uma PANC

Miles Irving: É autor do livro Forager the handbook e fundador da Forager LTDA, empresa que trabalha com PANC profissinalmente desde 2002. seu livro é referencia para grande parte dos chefs Europeus. Do lixo para a floresta, do penhasco ao litoral, as plantas comestíveis florescem ano após ano. A primavera é quando o alho selvagem floresce em florestas sombrias; O verão é o tempo para a samphire do pântano nos pântanos salgados; Outono anuncia uma abundância de frutas e nozes. Muitas dessas plantas - urtigas, dentes-de- leão, galinha gorda, sorvete - crescem tão profusamente que são consideradas um incômodo. No entanto, eles oferecem fantásticas possibilidades alimentares e são ricos em nutrientes.

MILES IRVING

 

Restaurando a conexão homem e natureza

Diego Prado: É responsável pelo Basque Culinary Center e por toda a pesquisa feita no centro sobre PANC e plantas selvagens. uma das instituições mais respeitada na Europa pelo trabalho sério com o assunto e por receber pessoas de todo o mundo para desenvolver novos projetos para o uso de PANC no dia a dia de restaurantes, desenvolvimento de produtos e conscientização das pessoas para o uso delas.

DIEGO PRADO

 

Plantas silvestres e seu valor gastronómico

24 de Outubro

Douglas McMaster: É chefe do restaurante Silo, criado em Brighton na Inglaterra. um restaurante que não gera resíduos, que pega suas próprias PANC em espaços urbanos, conhecido por ser o primeiro restaurante a se intitular ZERO WASTE. Está lançando o seu primeiro livro “The Silo Blueprint” que trata do desperdício de alimentos na cadeia alimentar e de como os chefes de cozinha podem mudar o seu redor.

DOUGLAS McMASTER

 

O uso de PANC locais no restaurante & Sustentabilidade

25 de Outubro

Irany Arteche é nutricionista com mestrado em fitotecnia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, na faculdade de agronomia. Foi pioneira no país na implantação da merenda agroecológica em larga escada nas escolas públicas estaduais do Rio Grande do Sul e idealizadora do Projeto PANC junto à Organização das Nações Unidas e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - ONU/PNUD. Atua como consultora e professora em segmentos voltados à alimentação saudável.

IRANY ARTECHE

 

PANC no dia a dia, além da nutrição 

14 de Novembro

Neide Rigo: É nutricionista formada pela Universidade de São Paulo – USP e sempre trabalhou em pesquisa, experimentação e divulgação de ingredientes. Por 20 anos escreveu sobre comida para a Revista Caras e há 7 anos é colunista do Caderno Paladar do jornal O Estado de São Paulo, onde fala de espécies vegetais negligenciadas e desconhecidas. É autora do blog
Come-se, fundado há dez anos para apresentar alimentos desvalorizados e suas possíveis formas de preparo. É também co-fundadora da Horta Comunitária City Lapa, espaço cultivado com espécies aromáticas e medicinais, e há mais de um ano comanda expedições urbanas para reconhecimento de plantas alimentícias no espaço urbano, PancNaCity. Foi curadora do Projeto Comer é Mais durante três anos, no Sesc Belenzinho.

NEIDE RIGO

 

Reconhecimento de PANC no espaço urbano - PANCNACITY